Manaus, 05 de Dezembro de 2021
Mais de 85% dos trabalhadores da construção do AM já foram vacinados contra Covid-19
29 de julho de 2021

O Sindicato da Indústria da Construção Civil do Amazonas (SINDUSCON-AM) lançou nesta terça-feira (27/07) a quarta edição da pesquisa “Canteiros de obras ativos durante a pandemia no Amazonas”. Além dos números de casos confirmados, internações e mortes por Covid-19 de trabalhadores da construção, o SINDUSCON-AM também reuniu dados da cobertura vacinal entre os colaboradores do setor.

De acordo com o levantamento realizado com 13 empresas associadas ao sindicato, dos 1.159 trabalhadores ativos, 992 já receberam a primeira dose da vacina contra covid-19, o que representa 85,6% do total de trabalhadores registrados.

O SINDUSCON-AM ressalta que das 13 empresas ouvidas, seis informaram que 100% dos colaboradores já receberam a primeira dose da vacina. A pesquisa registrou também que 345 já tomaram a segunda dose, representando 29,8% do total de colaboradores.

Queda de internações

Nesta quarta edição, o SINDUSCON-AM notou que houve uma redução de 47,8% de internações por Covid-19 entre os trabalhadores. Na última pesquisa, divulgada em janeiro de 2021, o número de internações era de 23, agora este número caiu para 12 internados.

Trabalhadores ativos

A pesquisa registrou também que apenas 33 trabalhadores foram afastados durante o primeiro semestre de 2021. Ou seja, apenas 2,84% do total de trabalhadores (1.159) ativos.

Esse número também é positivo se comparado ao número divulgado na pesquisa do início do ano, que registrou o afastamento de 111 trabalhadores durante o ano de 2020.

O principal motivo de afastamento alegado pelas empresas foi que os colaboradores apresentaram sintomas de Covid-19. Mas também foram registrados outros motivos: acidente doméstico, outras questões de saúde, ou por morarem com parentes que testaram positivo para Covid-19.

Óbitos estáveis

Desde a primeira edição da pesquisa realizada entre maio de 2020 e julho de 2021, o SINDUSCON-AM registrou apenas dois óbitos por Covid-19 nos canteiros de obras do Amazonas.