Manaus, 25 de Fevereiro de 2020

Sinduscon-AM sugere criação de programa habitacional durante oficina de pactuação para a elaboração da Normativa do Centro Histórico de Manaus
24 de janeiro de 2020

O Sindicato da Indústria da Construção Civil do Amazonas – Sinduscon-AM, participou na manhã da última terça-feira, 21/1, da 9ª oficina de pactuação para a elaboração da Normativa do Centro Histórico de Manaus, desenvolvida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN, que tem como objetivo elencar algumas possibilidades de intervenções na área tombada, após decisão proferida em 2017, pelo Supremo Tribunal Federal, e ouvir das entidades convidadas opiniões e sugestões acerca do tema.

 

Foram apresentados na oficina alguns resultados e a metodologia de trabalho que está sendo desenvolvido pelo IPHAN, que aborda desde a consulta a grupos sobre o tema, oficinas para identificação da memória afetiva das pessoas junto ao patrimônio histórico, como o mapeando o que está sendo pensando em questão de proteção para a área tombada e algumas políticas que devem ser adotadas para facilitar a aprovação de projetos. Um exemplo é no caso de pintura do patrimônio histórico, onde o IPHAN irá fornecer toda as instruções de práticas de pintura. Uma espécie de manual.

 

O coordenador da Câmara de Planejamento Urbano do CODESE Manaus e representante do Sinduscon-AM, o arquiteto e urbanista, Pedro Paulo, parabenizou o trabalho e sugeriu como ponto a ser observado, de maneira conjunta, a criação de um pacto entre os atores, tanto o poder público, quanto as entidades, para que se possa ter uma continuidade de ações na revitalização da área central da capital.

 

“O centro tem a melhor infraestrutura da cidade, que é aproveitada apenas uma parte do dia. Durante a noite, a área fica totalmente sem função. A ideia é que seja implantada dentro do plano, um programa de habitação na área central, utilizando como exemplo o caso de Melbourne na Austrália, que há 20 anos, tinha apenas 760 habitantes e após todo um planejamento, incluindo um plano de atração de pessoas, hoje, a cidade conta com mais de 33 mil pessoas na área central, com uma expectativa de dobrar o quantitativo nos próximos 20 anos”, ressaltou Pedro Paulo.

 

Para as próximas oficinas será apresentado um escopo da normativa. Até março de 2020, se espera que todos os trabalhos estejam concluídos, seguindo o cronograma predeterminado. O Sinduscon-AM foi representado na oficina pelo vice-presidente e diretor da Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade – COMAT, Robério Arruda e o coordenador da Câmara de Planejamento Urbano do CODESE Manaus, arquiteto e urbanista, Pedro Paulo.

 

Participaram da nona oficina, junto ao Sinduscon-AM e o IPHAN, a Associação das Empresas do Mercado Imobiliário no Estado do Amazonas – ADEMI-AM, o Instituto Municipal de Planejamento Urbano – IMPLURB, a Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Amazonas – SEC, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – SEBRAE e a Associação dos Camelôs do Centro de Manaus.